Notícias — 21 agosto 2013

Entre as oficinas realizadas no 2º Workshop de Tecnologias Sociais do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa/MCTI), a oficina ‘Economia Solidária’, ministrada por Myrian Nydes Monteiro da Rocha, do Instituto Tocantinense Presidente Antônio Carlos (ITPAC), destacou-se por trazer conceitos, características e meios de aplicabilidade adaptáveis.

Segundo Myrian Rocha, para criar uma economia solidária é necessário o rompimento com a estrutura capitalista, o modo de pensar, formar uma mentalidade empreendedora. “O fato de existir fomento, pesquisa ou um subsídio de políticas públicas não caracteriza uma economia solidária. O que vai caracterizar uma economia solidária é um rompimento da estrutura do capitalismo com essas diferenças entre quem é o dono e o empregado. Se você não formar uma mentalidade empreendedora as pessoas não conseguem empreender, a questão é o tempo. Se nós estamos falando de populações, sobretudo populações vulneráveis em risco, nós temos que ter um olhar especial sobre elas, porque precisam romper o ciclo da miséria, assim como precisamos romper nosso olhar exclusivamente capitalista”, explica.

Características

Rocha apontou quatro pontos que caracterizam a economia solidária: autogestão – não há só quem decida e não há quem só obedeça, todos tem ambas posições; solidariedade – justa distribuição dos resultados; cooperação – propriedade coletiva dos bens, partilha dos resultados; e viabilidade econômica – base da motivação de agregação de esforços, recursos e conhecimento.

Baseado em um levantamento feito pelo Sistema Nacional de Economia Solidária, a professora expôs os principais desafios enfrentados nesse setor: comercialização, acesso ao crédito e a falta de assistência técnica.

Para superar esses desafios, a pesquisadora apontou como principal ponto a definição de novo significado do modo de trabalho, como colaboração. “Não é competição, é a cooperação. A colaboração não pode ser confundida com ações de responsabilidade social ou com o terceiro setor. Não se trata de uma proposta apenas de geração de trabalho e renda para os excluídos do mundo de trabalho. Não é só uma proposta para quem está no lado de fora, é mais do que isso. Quando ressignifico o trabalho, eu trabalho com a dignidade humana dando outra dimensão para gerar renda”, finalizou.

 

Fonte: Agência Fapeam

 

Compartilhar

Sobre o Autor

Intermais

(0) Comentários dos Leitores

Comments are closed.